Aos 12 anos, criou sua primeira banda, analysverktyg binära optioner Sondagem da Terra, com o músico e amigo Davi Moraes. Os ensaios aconteciam na casa do pai dele, o baiano Moraes Moreira.

Mais tarde, aos 18, entrou na banda de reggae this contact form Dread Lion, que lançou dois CD’s: “Porque não paz?” (1997) e “Já é” (2001), ambos com um repertório todo próprio. Nesse período, a banda excursionou por cidades do Brasil e se apresentou ao lado dos principais artistas do gênero como The Wailers, Pato Banton, Yellowman, Andrew Tosh e Maxi Priest, e em festivais nacionais de grande porte com Skol Beat, Coke Reggae Time, entre outros. “Oh! Chuva”, música de sua autoria e carro chefe da banda, contou com a participação de Geraldo Azevedo, e foi mais tarde regravada pelo grupo FalaMansa, se tornando um sucesso nacional.

Nesse período, Luis Carlinhos também era conhecido pelo grande público brasileiro como “Samambaia”, jogador de participações marcantes nos torneios japan match dating site Rock Gol da MTV.

Em 2004, criou junto com os seus parceiros http://debbiespellman.com/?kavkaz=gcm-forex-yorumlar&797=4b Baia, Gabriel Moura e Rogê, o projeto Click This Link 4 Cabeça. O show, de canções autorais em formato "voz e violão", passou por importantes palcos do país. Além de temporadas duradouras no Rio de Janeiro, em casas como Mistura Fina, Zozô e Miranda, shows no Circo Voador, Canecão, Fundição Progresso e Parque Garota de Ipanema. Em 2010, ano de lançamento do primeiro CD com 12 músicas no formato "voz e violão", o grupo saiu my blog vencedor no 21º Prêmio da Música Brasileira, na categoria "Melhor Grupo de MPB". Na noite de entrega subiram ao palco do Theatro Municipal (RJ), junto com Maria Bethânia e Ney Matogrosso, vencedores em outras duas categorias da MPB.

Um álbum inteiro dedicado à obra de outro compositor. Depois de seis discos autorais entre projetos solo e coletivos, incluindo o premiado 4 Cabeça, pela primeira vez em pouco mais de 20 anos de carreira, Luis Carlinhos interpreta outro artista. A escolha foi certeira, uma de suas maiores inspirações musicais desde a época da sua banda de reggae Dread Lion, quando se apresentava ao lado de artistas do gênero como The Wailers, Pato Banton, Andrew Tosh e Maxi Priest.

metalcore dating site Luis Carlinhos Canta Bob Marley” é o novo trabalho do cantor e compositor carioca que será lançado digitalmente no dia 23 de junho. Dias 6 e 13 de julho, Luis Carlinhos sobirá ao palco do Solar de Botafogo (RJ) com um time de músicos, para mostrar ao vivo suas leituras para a obra do cantor jamaicano.

“Mexer com clássicos não é tarefa fácil. As versões originais do Marley são praticamente intocáveis. Para fazer jus a gravá-las, mergulhei na minha história e nas minhas referências até chegar ao Bob versão Luis Carlinhos, um artista brasileiro, carioca, com múltiplas influências culturais e musicais”, explica Carlinhos, que continua: “Curiosamente, no ano em que me tornava pai do meu primogênito, homenageava aquele artista que mais me influenciou, uma espécie de pai na música para mim”, conclui.

visit this page Luis Carlinhos nos apresenta uma possibilidade de pensarmos a obra de Bob Marley a partir de novas lentes e filtros. Dentro de uma concepção fiel e original ao gênero, ele demonstra uma intimidade ímpar com a “gramática” do estilo. Vale destacar que desde o início de sua carreira solo, Luis Carlinhos se apropriou de um vasto campo de referências da música brasileira, todos presentes neste trabalho. Quem acompanha o artista ao longo desse tempo de estrada, certamente, verá a confluência entre estes dois momentos, formando aqui uma expressão bastante autoral, mesmo em um disco onde pela primeira vez, atua somente como intérprete.

A escolha de http://www.peoplesoftcareer.com/?kosookuy=adx-dmi-trading-system&2ac=16 João Viana, baterista que tocou com grandes nomes da música brasileira e com a Medusas Dreads, banda contemporânea do Dread Lion, não poderia ser mais precisa para co-produção do trabalho. A partir do protagonismo dos violões criados por Luis Carlinhos, os dois convidaram nomes como matchmaking god of mythology Marcos Suzano (percussão), navigate to this website Frederico Puppi (violoncelo), http://big-balloon.nl/wedstrijden?s Marcelo Caldi (acordeon), have a peek at these guys Rodrigo Shá (flauta), http://moragbrand.com/?ljap=opzioni-binarie-bonus-senza-deposito-giugno-2012&cb4=0f Nicolas Krassik (violino), find this Davi Moraes (banjo), entre outros músicos que já haviam colaborado com o artista carioca anteriormente, e que entenderam a proposta do disco com enorme sensibilidade.

A seleção do repertório, para além da relação afetiva de Luis Carlinhos com as canções, procurou dar conta de uma abrangência de temas que atravessam a obra de Bob Marley. Política, amor, festa, dança e espiritualidade surgem no disco como um mosaico que une os dois artistas.

O trabalho conta também com as participações especiais de binäre optionen bot Alexandre Carlo (Natiruts) na faixa “Real Situation”, da cantora binaire opties fsma Silvia Machete em “Easy Skanking” e do Afroreggae em “Três Lindas Flores”, versão em português para o clássico “Three Little Birds”.

Mais que tudo, “Luis Carlinhos Canta Bob Marley” é um trabalho que oferece ao público uma dupla experiência de fruição. Por um lado, toda memória afetiva e fundamental do reggae como um dos gêneros musicais mais importantes da música popular. Por outro, a marca forte, instigante e autoral de Luís Carlinhos que já conhecemos desde sua colaboração com Dread Lion, mas que se consolidou e se afirmou de forma definitiva a partir de Rapa da Panela, disco de sua estreia solo em 2003.

Faixa-a- faixa, por Luís Carlinhos:

1. Rock it Baby - Apresenta de cara a estética do trabalho, de sonoridade acústica com violões, vozes naturais, contrabaixo, ukulelê, percussões e violoncelo, este último, do Federico Puppi que participa de mais três faixas. Tem uma roupagem tipo folk americano, só que com o meu violão nylon numa célula rítmica de baião, irmão do ragga jamaicano. A passagem natural dessa levada folk-baião para o reggae-roots antes do último refrão, mostra o quanto é possível e corajosa essa fusão. O tema da música, amor festivo, e o clima dela, permite ainda mais essa variação.

2. Natural Mystic - Guiada pelos bordões do meu violão - por sinal o fio condutor de todo o álbum -, com uma base rítmica de djambe, xequerê e caxixis do percussionista Léo Mucuri, tem o lindo acordeom de Marcelo Caldi, contraponteando a voz e passando pelo tema principal. Em uma referência ao próprio misticismo do título, ela é como uma mantra em que as percussões, o baixo elétrico e os poucos efeitos vão entrando, criando camadas.

3. Três lindas Flores - Versão em português para Three Little Birds que fiz com o Cláudio Agá, tem a flauta floreada de Rodrigo Shá e a participação do trio vocal feminino do grupo Afroreggae. Ter as meninas da comunidade de Vigário Geral, além de trazer a energia das The I Threes (cantoras do Bob), deu força simbólica à faixa. Bob Marley foi criado no gueto, e em algum momento teria de me deslocar para dentro dele.

4. Waiting in vain - O violão, sozinho numa célula rítmica sambeada, toca com a base de percussão composta por vassourinha, molas e bongô de João Hermeto, e o contrabaixo acústico de Lancaster Pinto, baixista de todo o álbum. Essa canção do Bob, umas das românticas mais famosas do seu repertório, soa aqui, cool, quase como um lento samba-jazz com o trompete de Leandro Joaquim. Os comentários de violão aço do João Gaspar, músicos que gravou ukulêlê em outras duas faixas, dão ainda mais delicadeza a esta versão.

5. Who the cap fit - Tem a presença luxuosa do percussionista Marcos Suzano, que ao som de palmas derbak e cahon, faz desta faixa um dos pontos altos do álbum para mim; seu famoso pandeiro teve destaque ao lado do violoncelo de Puppi num especial que nos remete a uma trilha incidental, senão medieval. Todo o arranjo pulsa como se fosse de um reggae de raiz, mas sem soar nada óbvio pela ausência do tradicional “tchaca”. O fim, só com os batuques e comentários do baixo do Lancaster, me remete a um ritual nayabing de baixo de árvore.

6. Easy skanking - Tem uma harmonia que aponta para um caminho mais soul, dançante como a própria letra diz. Os vocais sedutores da cantora Silvia Machete, que brinca num jogo de resposta da minha voz, por vezes atua como um coro por outras uma solista. O teclado hammond, instrumento muito usado no reggae, pela primeira e única vez aparece no álbum pelas mãos de Carlos Trilha. A bateria de João Viana, que vem com um kit aveludado e compacto - três canais apenas -, ajuda a imprimir uma sonoridade bem especial à faixa.

7. Soul shake down party - Interpretada em outros tempos, ao vivo, pela banda Dread Lion, ganha uma roupagem enxuta de um trio dançante de baixo acústico, bateria e violão, reforçado pelo naipe de trombones de Marlon Setter. Iniciei as gravações por esta faixa quando nem sabia que daí viria, de fato, um álbum. O violão e as vozes são guias que não pude deixar de usá-las como finais. O aproveitamento de vozes e violões caseiros se deu em outras faixas também, vai saber, é a mística da gravação.

8. So much trouble in the world - Eu tinha que escolher ao menos uma canção do “Survive”, um dos meus álbuns preferidos do Bob. Com um arranjo que nos refrões beira um drum in bass, só que acústico, a faixa tem uma pegada pop, o belo violino do francês Nicolas Krassik - em pizzicatos e no arco -, que sola sobre a voz principal oitava abaixo e somada à outras vozes minhas em coro. Esse é um jogo típico teatral, de coro e corifeu, que faço comigo mesmo, e acontece em mais momentos do álbum.

9. Real situation – Com uma mensagem política e reflexiva na letra, foi o primeiro single a ser lançado. Fiz um dueto vocal com Alexandre Carlo, parceiro meu dos tempos de quando o Natiruts se chamava Nativus, que foi registrado também em vídeo clipe. Surpreendente o timbre de voz que ele optou, suave. Convidei Davi Moraes para gravar um instrumento acústico, algo que soasse diferente. Foi quando ele surgiu no estúdio com um banjo, arrasou com um pica-pau e um solo arrebatador no fim, quando a música embarca numa onda africana conduzida por João Viana, Leo Mucuri e Lancaster. Termina em fade out, o único entre nove faixas.

Narrativa e pantomima; palavras e gestos harmonicamente dispostos a serviço de uma história. Homem e cavalo encarnados numa só figura. E, acima de tudo, um aspecto lúdico a permear a cena do começo ao fim.

Não se trata da descrição de um espetáculo cujo enredo nos remeta à qualquer figura mitológica. Esse feliz amálgama de elementos diversos acima descrito encontra-se na performance “Aramis”, de Luis Carlinhos (direção de Marcela Andrade e música original de Luis Carlinhos em parceria com o músico Daniel Lopes).

Baseando-se em fatos reais, ocorridos em tenra infância, Luis Carlinhos conta suas aventuras e desventuras com o cavalo Aramis, ora narrando, ora dramatizando os eventos.

Depois de cinco trabalhos em estúdio, incluindo o premiado projeto “4 Cabeça”, grupo que formou ao lado de Baia, Gabriel Moura e Rogê, o cantor e compositor carioca Luis Carlinhos, 40 anos, lança seu primeiro projeto ao vivo, o CD e DVD “Gentes - 20 anos ao Vivo”, que tem distribuição física e digital da Sony Music e celebra os 20 anos de carreira do cantor.

Na data mística 12.12.12, Luis Carlinhos gravou o seu primeiro DVD e seu terceiro CD solo, que reúnem ao todo 16 faixas, fruto do repertório de seus dois CDs solos, “Rapa da Panela” (2005) e “Muda” (2009) e, algumas músicas de sua extinta banda de reggae, o Dread Lion, além de três inéditas. A gravação aconteceu durante um show particular para 200 pessoas numa casa em São Conrado, Rio de Janeiro.

Ao lado de experientes músicos, como João Hermeto (bateria e percussão), Maurício Oliveira (baixo) e João Gaspar (guitarra), Luis Carlinhos registrou as inéditas “Me Cura”, um reggae-pop feito em parceria com Alvinho Lancellotti, da banda Fino Coletivo, que abre o DVD; a balada “Estranho Amor”, sua primeira parceria com o mestre Carlinhos Vergueiro e que também leva a assinatura de Rogê (companheiro no bem sucedido projeto “4 Cabeça”); e a swingada “Chão no Pé”, fruto da parceria com o letrista Gabriel Pondé. “Solto Pelo Ar” e “Pousando” (parcerias com André Gardel e Maurício Baia), de seu segundo CD solo, “Muda”; “Escapulário” e “Jeito Malandro” (parcerias com Cláudio Henrique), de seu primeiro CD, “Rapa da Panela”; e “Toró” (parceria com Gabriel Pondé), também do CD “Muda”, são algumas das músicas que trazem referências aos seus dois trabalhos anteriores. Sua composição de maior sucesso, “Oh! Chuva”, registrada no CD “Por que Não Paz?”, do Dread Lion, e pelo grupo de forró Falamansa, também integra o repertório do CD e DVD.

Conheço esta figura desde menino. Andava lá por casa, na Estrada da Gávea, era amigo e colega de Davi, gostava de música e logo formaram uma banda. Tinha especial carinho por Luís, tanto era assim que não me lembro mais dos outros componentes da Banda, que tinha um nome, no mínimo, intrigante: SONDAGEM DA TERRA.

Ficava feliz de vê-los ali, envolvidos com a música, com aquele entusiasmo juvenil, me tocava e eu procurava dar força para que eles vivessem aquele sonho. Ao contrário da maioria dos pais, eu acreditava, sim, que ser músico era legal.

CLIPPING

FOTOS-IMPRENSA

Clique nas imagens para fazer o download dos arquivos em alta resolução.

Luis Carlinhos canta Bob Marley - Foto 01Luis Carlinhos canta Bob Marley - Foto 02Luis Carlinhos canta Bob Marley - Foto 03Luis Carlinhos canta Bob Marley - Foto 04Luis Carlinhos canta Bob Marley - Foto 05Luis Carlinhos canta Bob Marley - Foto 06Luis Carlinhos canta Bob Marley - Foto 07Luis Carlinhos canta Bob Marley - Foto 08